quarta-feira, outubro 17, 2007

IDENTIDADE

Tenho uma amiga que tem um gato

o gato era de uma amiga dela

agora é dela



Corrigindo










Sou amiga de
uma pessoa que tem um gato a viver em casa dela
o gato antes vivia em casa de outra pessoa
agora vive com ela


Os gatos não são de ninguém
Não tem dono
Não pertencem




Os gatos

são







livres



a primeira pessoa com quem esse gato viveu
chamou-lhe D. Bonifácio

a pessoa de quem falo

mudou-lhe o nome
chamou-lhe Bono



corrigindo






os gatos não têm nome
os gatos não têm apelido


Os gatos
têm uma identidade

natural
intransmissível
indestrutível
inalterável
incorruptível
eterna
constante
permanente


a
identidade
de
simplesmente
serem
o
que
são:


GATOS





NÃO
DEVERERIAMOS
NÓS
ANTES
DE ...


todas as falsas identidades que criamos, nomes, apelidos, apelido do pai, apelido da mãe, apelido do marido, apelido da mulher, Sr., Sr.ª., menino, menina, Vossa Ex.ª, Dr., Dr.ª, Professor Doutor, Professora Doutora, Eng.º, Eng.ª, Major, Coronel, Comandante, Sr. Director, Sr.ª Directora etc. etc. etc. etc. etc. etc. etc. etc.


SALVAGURDAR

A
NOSSA
IDENTIDADE
DE
SERMOS

O

QUE

SOMOS:


PESSOAS

38 Comments:

Blogger Maria said...

Subscrevo, Isabel.
Quantas vezes a "necessidade" que algumas pessoas têm em exigir serem tratadas de acordo com o diploma que tiraram é directamente proporcional à sua incompetência, à sua mediocridade...
... quantos complexos de inferioridade estão camuflados com o engº ou dr. ou arq. atrás do nome....
São normalmente pessoas que se acham mais pessoas que os outros...

Beijinhos

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger mulher-aranha said...

Este comentário foi removido pelo autor.

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger mulher-aranha said...

Eu sou a amiga que tem o previlégio de ter este felino por companheiro lá em casa...

Obrigada minha querida amiga Isabel por partilhares o Bono com os teus "convidados"

É um óptimo amigo, doce e meigo q só visto e espalha mimos e charme por onde passa, conquista até os menos "aficionados"

Tu Isabel, praticamente uma irmã para mim, pareces-te muito com este "meu" gato, sabes disso?

1 beijo enorme

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger Isabel said...

Ai, ai, ai...
Sabiam que os gatos também choram e se comovem?

Eu não!
Acabei de inventar isto mas acredito piamente no que inventei.

Eu estou comovida.
A minha amiga mulher-aranha, tem realmente o privilégio de ter um GATO mesmo GATO a encher a sua nova casa, já de si cheia da linda presença da minha linda amiga e de todos os amigos para quem tem sempre uma porta aberta.

Obrigada miúda!
Pela amizade que demonstras e por teres me teres apresentado a esse maravilhoso gato, felino, selvagem, doce, meigo, senhor do seu nariz, vaidoso, engraçado e livre como só os gatos sabem ser.

Tu és livre de voltar a sorrir.
Sabias?

É fácil...

Eu ajudo, é assim:

1º- Começar por esticar os cantos da boca para fora

2º- Fazê-los subir um pouco

3º- Mantê-los assim e entreabrir os lábios

4º- Acompanhar com uma abertura no coração

5º- Seguido de um brilho condizente no olhar

... e pronto já está,
ISSO É UM SORRISO!

Obrigada querida V (mulher-aranha)


Isabel

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger Haddock said...

Isabel, mas nem avisas???
salto das mortalhas do zorze para aqui e dou com gatos!!!
gato, bicho inquieto, mesmo quando quieto. dificuldade em confiar num bicho assim. mas destes gatos que não são de ninguém e que não têm nome, gosto. não que queira ser um gato, mas prezo a pessoa que sou e que és!

um abraço!

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger mulher-aranha said...

Pois eu cá quem me dera ser gato! e ser livre e poder escolher dar afecto a quem me quisesse bem e não esbanjar por aí, correndo o enorme risco da ingratidão, da traição - o ser humano é traidor, os gatos não, neste eu posso confiar...
desculpem se generalizo, é só um desabafo de quem teve a infelicidade de se cruzar com um ser humano que não foi digno de o ser, que pertence sim à categoria dos catalogados com nome, título, contas bancárias, cargo directivo e posição social, esquecendo a essência, a alma, a amizade, o amor, o respeito pelo próximo

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger António Melenas said...

Ainda muio jovem li um conto cujo título era "ninguém é dono de um gato. Efectivamente assim é. Os fatos são meigos , volup+tuosos, saensuais, quando lhes apetece e em relaão a quem gostam; esquivos, quando não estáo para aí virados;
agressivos quando os chateiam; ausentam-se quando lhes dá na gana e só voltam quando muito bem entendem, sem dar cavaco a ninguém,e por vezes desaparecem de vez em busca de outros relacionamentos.
Quanto às pessoas, que bom seria que que TODAS, mas todas, sem excepção, fossem efectivamente consideradas e tratadas como PESSOAS que são... e contudo...
___
Mais um belo texto (e imagens) cheio de sensibilidade e bom gosto
Um grande abraço

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger Gi said...

Gostei da ideia subjacente ao teu divagar sobre os gatos. Um texto revelador de uma grande sensibilidade.
Obrigada pela visita e pelas palavras que deixaste no meu espaço

Um beijinho

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger Ruanita said...

Poisé Isalelita, talvez tu não saibas mas eu tambem já tive o "meu gato". Chamava-se curiosamente Zé gato e batia o rabo ao compasso da musica.É verdade os meus amigos iam lá a casa para ver a proeza.Foi encontrado no meu quintal, na minha garagem com uma perna deslocada depois de ter sido atacado por um cão. Tratei dele até conseguir que passasse a viver em minha casa ( dos meus pais ),contra a vontade de todos, há excepção da minha mãe que gostava muito dele.Era grande, horroroso e vadio. Tentei fecha-lo dentro de casa, dei lhe banho e comida. Um dia apanhou a porta aberta fugio e nunca mais voltou.

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Blogger Zorze said...

Eh lá, muito bom post! E o gato é muito giro! Sim, senhoras...

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger Mar Arável said...

Os gatos dizem

também são filhos de deus

felinos

conhecem mal os donos

mesmo que sejam doutores

PREFIRO OS MEUS CÃES

porque gostam do mar

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger O Profeta said...

Tenho dois gatos que não são de ninguém, dou-lhes alimento, carinho também...


Doce beijo minha querida

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger as velas ardem ate ao fim said...

Belissimo e subscrevo na integra.

bjinhos

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger isabel mendes ferreira said...

a metáfora está divina...:)


___________________tenho uma gata.


tenho um nome.


somos livres.


somos?


somos!


beijo. Isabel.

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger rui said...

Olá Isabel

O gatinho é lindo!
E tens razão quanto à cor, é de um cinzento aveludado!
Adorei!

Beijinho

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger C Valente said...

eu tenho um gato, agora apareceu á porta de casa mais 4, não entram, simplesmente damos comida, não são meus
Saudações amigasn

quinta-feira, outubro 18, 2007  
Blogger Presença said...

Mas poucos sao Pessoa...

Esse gato é lindissimo... há filhinhos desse? Será que a tua amiga, ou amiga da tua amiga tem alguma ninhada?

Bjo

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Cusco said...

A propósito de gatos…. Sempre tive gatos, sempre gostei de gatos. De gatos vadios que chegam a casa estropiados, de gatos que fazem serenatas nas laranjeiras, de gatos que não se deixam amordaçar nem sujeitar a uma poltrona e fitinha no pescoço. De gatos capazes de gritarem e se zangarem. De gatos capazes de lutarem e de voltarem os caixotes de lixo!
Sempre gostei de gatos….. um dia destes vou enfiar-me dentro de um e chegarei de mansinho procurando um colo de uma avó..Celeste, Mariana ou Joaquina…E lá fora as laranjeiras ficarão mais tristes!
Um beijo e um bom fim de semana!

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Isabel said...

A minha avó chamava-se Celeste e tenho tantas saudades dela quanto as laranjeiras teriam das serenatas que os gatos lhes fazem.
A minha avó dava-me ralhetes com amor, refilava comigo dias inteiros e quando estava triste fazia um beicinho que só eu via... e tudo na minha avó me soava a serenata. Agora são serenatas de saudade.
Comoveu-me muito o teu comentário Cusco.
Obrigada

Isabel

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Brain said...

Isabel,

A nossa identidade é algo que devemos preservar SEMPRE!

Muitas vezes,
Colocam-me o "Dr." antes do nome,
E eu digo sempre:
"O meu pai, deu-me um nome e eu até gosto dele! Sabe como eu me chamo?"
E faço questão disso!

Mas... muitas vezes, infelizmente, faz a diferença!

Infelizmente!

Enquanto vivermos numa sociedade que valoriza as pessoas pelo título, pela forma como se veste, pelo carro que conduz... e não pelo saber efectivo.

Mas isto... dava HORAS de conversa.
E eu até gosto de conversar!

Mas o que interessa no fundo,
No momento,
É que concordo contigo,
A 100%!

Beijo.

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Cusco said...

Eu sei que a tua avó se chamava Celeste.....!

Houve um gato que me contou!

Até breve!

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger magnohlia said...

A minha gata chama-se Carotte porque é ruiva, responde pelo nome, ralha comigo, ama-me, eu amo-a, fica a olhar para mim muito tempo,é retraida como eu, não aprecia estranhos, é uma doçura.

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger sniqper ® said...

Totalmente de acordo minha amiga, mas para isso, precisamos primeiro de saber ser pessoas, situação que no dia-a-dia vai rareando...

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger jawaa said...

Amiga, os gatos não têm dono, mas são sempre donos de alguém...
E reconhecem o nome.
E aceitam quem os ame.
Podes crer.
Um abraço

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger 1entre1000's said...

o gato É LINDO!
gosto de pensar que o nosso nome é um acessório da nossa identidade, essa sim a mestre tocadora de todos os instrumentos da nossa vida....

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger daniel sant'iago said...

E, sobretudo, Isabel...
... ser "gata"!
Beijo.

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Meg said...

Isabel, três dias de ausência e quanta produção!
Volto para ler tudo desde o dia 15... o tempo voa.
O siamês é lindíssimo!

Beijinhos

sexta-feira, outubro 19, 2007  
Blogger Alexandre said...

O melhor texto sobre gatos - e sobre pessoas - que eu já li! Os gatos são o símbolo da liberdade e do mistério, coisas de que os humanos estão cada vez mais longe!

As pessoas deixaram de ter mistério, a grande maioria é vulgar, vulgaríssima, não têm qualquer interesse, falam muito mas nada dizem, falam muito alto quebrando e ofendendo o silêncio!

Não gosto de pessoas... também não gosto de gatos... mas se tivesse que escolher...

Muitos beijinhos!!!

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger Alexandre said...

Ah, é verdade! Já pensaste em publicar alguns dos teus textos?

Beijinhos!!!

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger bettips said...

Um lugar de gato cinzento e Bono é LINDO! E gostei muito - do que dizes, afirmas mesmo - do gato, da amiga que o tem, dos amigos que aqui falam. Uma bela roda, tu-cá-tu-lá que aqui se formou e me deu um abraço de boas noites. Pessoas. Beijinhos

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger Desolation Row said...

absolutamente brilhante! :D

penso nisso todos os dias =)

kem me dera k nao houvessem fronteiras nem cartoes de identidade

HA TANTOS QUE ME HABITAM!

fika bem =)


novo post na plateia da desolacao! axo k vais gostar =)

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger un dress said...

amo gatos

cães

e

todos os outros bichos

da

arCa.

todos.

não sei sequer escolher

...

tenho uma gata

chama-se gata

é tricolor

dona do seu nariz

aliás dona de tudo

até da cadela.



:) beijo isabel...

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger elvira carvalho said...

Os gatos são lindos. As pessoas na sua minoria são feias. Vivem para prejudicar os outros para destruir o planeta para provocar guerras.
Na sua minoria, porque a maioria são as vítimas da insanidade dos outros.
Um abraço

sábado, outubro 20, 2007  
Blogger Ana said...

A comparação com os gatos, dá mais força à tua mensagem.
Um beijo.

domingo, outubro 21, 2007  
Blogger L.Reis said...

...melhor seria pessoa-gato
a transbordar preguiça nos finais de dia,
a percorrer leve
os caminhos do verbo ser.

domingo, outubro 21, 2007  
Blogger Vladimir said...

magnífica postagem...

domingo, outubro 21, 2007  
Blogger eremita said...

li o 1º e o 2º. Boa análise sobre os gatos. sabias que os gatos não foram (detesto esta palavra, e outras) "domesticados" pelos animais humanos?
Pois é a verdade. Ha anos li um artigo sobre esta matéria.
Pura e simplesmente.
Se bem recordo, antes de Cristo. Entraram pelas casas dos humanos , instalaram-se e...ficaram.
Sobre os sem-abrigo...não são só homens. Há muitas mulheres e da forma como as coisas vão muitos e muitas mais irão aparecer por aí. Mas tens razão. Quando vès alguém no chão deves/devemos saber se não está doente. Normalmnete dizem-te: está bêbedo, ou drogado ou...é um sem abrigo. Como se estas circunstâncias lhes retirassem a humanidade, as doenças e os cidentes. No fundo tudo se resume a um: não importa.
Não os podes levar para casa, nemresolver-lhes a vida, mas podes saber se anquele momento há algo que possas fazer.
Todos devemos assim agir porque um dia podemos ser nós nessa rua e gostaremos que nos vejam como humanos e não restos.Lixo.
Fraterno abraço
Fraterno abraço

quinta-feira, outubro 25, 2007  
Blogger sir4you said...

...nunca tive um gato, ou antes, nenhum gato me teve algum dia.
Admiro-os pela personalidade,
pelo instinto
pela beleza

mas nunca dei um tecto a nenhum.

Excelente post,
Depois de ter assinado uma petição contra alguém que maltratou um animal, não poderia deixar de cumprimentar alguém que os defende com tamanha justeza.

Até breve

segunda-feira, outubro 29, 2007  

Enviar um comentário

<< Home