quinta-feira, setembro 14, 2006

Recusa

Hoje escolhi dizer não
Não
Não
Não
Não quero ir por ai

Vou por aqui
vou dar-me e dar a mão
e apertar os dedos
do meu amor
num entrecruzar
de dedos
forças
e cansaços

e vou por aqui

não vou por ai

vou por aqui
e não vou só

Vou a caminho de casa

vou acertar o passo
e num abraço dar o braço
ao meu amor
acertar
caminhos
percurssos
e atalhos
e "vamos" por aqui
a caminho de casa

Não vou por ai
Não vou por ai

Vou por aqui
A caminho de casa
e não vou só


Isabel


" O caminho para casa"
Tandi Venter



Cântico Negro


"Vem por aqui"
— dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "Vem por aqui!
"Eu olho-os com olhos lassos,(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí!
Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "Vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Ide!Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria,tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "Vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!


José Régio

8 Comments:

Anonymous Miguel said...

podes ter a certeza, não vens só!
Beijos
podes dizer não ao que queiras,
desde que acertes o passo, e venhas para casa. chuakkkkkkk

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger Vanda Baltazar said...

:) és sim uma pessoa especial :))

um beijo

Van

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger PCF said...

:)

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger Miúdo said...

Vai por aqui, Isabel!

Tens um blog lindo

5 homens do norte

Vozes da Radio

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger T. said...

Bonito sítio para vir ficar um bocadinho...
Gostei muito dos poemas e da imagem.
Obrigada pelo convite e pela partilha!

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger San said...

O estado de alma da isabel é o de uma alma paixonada à solta, mas muito presa ao real. Chega a ser estonteante, de tão fortemente que nos abre o coração. O que escreve tem que se ler devagarinho...

quinta-feira, setembro 14, 2006  
Blogger Egrégora said...

fico contente pelos estados-de-alma a que se vão sem sabermos

e nos atalhos, há sempre caminho de regresso **

sexta-feira, setembro 15, 2006  
Blogger Teresa Durães said...

adoro josé régio!!

Boa tarde por aqui

sexta-feira, setembro 15, 2006  

Enviar um comentário

<< Home