quarta-feira, setembro 13, 2006

O mais belo presente

O meu amor deu-me o mais belo presente
não sendo poeta
deu-me um poema
soltou o amor
soltou o tezão
e as palavras nasceram
o meu amor escreveu
dedicado a mim
o mais belo poema de amor
e deixou provado
que para escrever poemas de amor
não é preciso ser poeta
é preciso amar

Este é o poema que me ofereceu e me fez sentir a mulher mais amada do mundo...
Obrigada, por quereres voar comigo
Amo-te muito

Isabel (com um sorriso, pronta a voar para casa)


À rainha das borboletas

Já estava excitado,
cheio de libidinosos pensamentos,
que estava a ter ao pensar que estavas a chegar...
na minha memória,
já havia uma torrente de cheiros e sabores que me levavam a ti...
Ouvi os teus passos na escada
esperei aquilo que me pareceu uma eternidade, por sentir os teus passos junto á porta.
estremeci de prazer ao sentir-te entrar e chamar por mim...
Amor
Amor
Tanto te desejava
que as palavras ficaram presas na garganta
como que a sufocar por tamanha vontade de te sentir
o que saiu do meu corpo, não foi mais que um uivo animal...
já inebriado com o teu perfume
vi-te aproximar
voando por entre os meus desejos
como se fosses a “princesa das borboletas”
bela
ardente
sensual
como pronta para me levar a uma explosão de sentimentos e desejos
o teu sorriso fez-me abraçar-te e dizer-te o quanto te queria
e o toque do teu corpo transformou em tezão qualquer razão
os teus labios,
fizeram-me sentir uma sede insaciavel de amor
e de repente tudo se transformou em fogo de artificio
loucura e paixão
momentos mais tarde, depois de esquecermos o mundo
de nos termos tornado como um só
Vi claramente como na verdade
eras mesmo a “rainha das borboletas”
e tinhas a capacidade mágica de me fazer voar contigo

Obrigado meu amor

Miguel



" Reclining nude"
Amadeo Modigliani

1 Comments:

Blogger bazuco said...

E aqui estou!Poema de palavras simples,directo ao coração!É assim que se faz o AMOR.Obrigado pelas tuas palavras tens um blog muito interessante.

quarta-feira, setembro 13, 2006  

Enviar um comentário

<< Home